sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

O Poder Público em Santo André, o Teatro do Oprimido e o Grupo Revolução Teatral II

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009
Oficina de TO Realizada Pelo GTO Santo André na V Mostra de TO de Londrina 2009

Pois é. Não adiantaram os 12 anos de história e reconhecimento, nem o premio de Melhor Iniciativa Cultural do Grande ABC do ano de 2008, recebido pelo GTO à Prefeitura de Santo André. Não adiantaram as centenas de apresentações em favelas, escolas, praças. A formação de 16 grupos populares, a vinda de mais de 40 pessoas de vários países que aqui estiveram para conhecer essa experiência com as técnicas de Boal. Artigos, teses, TCCs, a viagem de jovens de favelas para países como Canadá¡, Itália, Argentina. Formação para mais de dois mil cidadãos(ans), e para centenas de servidores. Não adiantou a realização de seminários e encontros com gente de todo o Brasil e várias partes do mundo. A fundação do GTO Lisboa e do Fábrica de Teatro do Oprimido de Londrina a partir do contato com o GTO Santo André.Nas últimas eleições o PT foi derrotado nas urnas, voltando ao poder, grupos, pessoas, com outra visão de mundo que não aquela que pautava a última administração, que era governar para todos, mas dando ênfase à periferia, à participação popular, e a construção de um mundo mais igual.Assim o Grupo de Teatro do Oprimido foi extinto pelo novo governo que não se interessou por esta experiência que tanto reconhecimento angariou e tanto atuou com a população mais carente para seu empoderamento.A lamentar as pessoas com deficiência fí­sica e/ou mental, os idosos e demais grupos que foram extintos. Assim o GTO foi expurgado do poder público.


Apresentação do Grupo Revolução Teatral: "quem é o Louco" no CAPS na V Mostra de TO de Londrina 2009

Mas claro, ficam na própria prefeitura e na cidade, principalmente na periferia, muitos ecos desse trabalho. Principalmente os idosos que levam o teatro por conta própria, assim como um grupo de jovens que formam o Grupo Revolução Teatral.

Maria da Represa. no II Seminário Teatro e Transformação Social . Santo André. 2008

Formado por cerca de 20 jovens do entorno do CESA Cata Preta (Centro Educacional Cata Preta), no bairro do mesmo nome, esse grupo ocupa desde Dezembro, durante três dias da semana, espaços desse centro, com Jane Vieira, e Douglas Martins, ambos com 17 anos "tocando o barco" com a meninada.

Quanto a mim, falando em barco, não posso abandonar este, e na próxima terça feira, volto às atividades com o grupo, não como voluntário, mas por filosofia de vida, por entender que este grupo faz parte da minha vida, do meu ser. E Mais do que isso, devem  ter todo o apoio pelo que representam na luta de jovens da periferia para se inserirem na sociedade que os exclui, na transformação desses jovens em multiplicadores, pelo respeito ao movimento que desencadeiam na região em que moram, e porque não, na cidade em que vivem. São cidadãos-artistas, formadores, apesar de seus 14, 16,22 anos de idade. São jovens da periferia mais pobre da cidade que antes desta experiência, nunca tinham visto uma peça de teatro. Hoje são dramaturgos, poetas,encenadores atores e atrizes, criadores. À eles, se somam dezenas que não estão no grupo mas atuam na vida, em suas escolas, em suas comunidades.
Mesa Redonda. II Seminário Teatro e Transformação Social. Santo André. 2008


Além disso, em março , inicia-se o Projeto de Extensão Universitária em que o Instituto de Artes da UNESP - Universidade Estadual Paulista, pelo seu curso de Licenciatura em Arte-Teatro darão duas bolsas a estudantes interessados em acompanhar o Revolução Teatral.
Desta maneira, com os jovens ocupando o espaço fisico que lhes pertence, com o aval desse projeto de extensão , reforçaremos a existência do Teatro do Oprimido na periferia de Santo André. É preciso lembrar que na região do Cata Preta, jovens propõem trabalhos escolares com o Teatro Fórum, o Teatro do Oprimido foi inserido no RAP, temos alguns jovens multiplicadores, e há todo um movimento que se perpetua.
O grupo em 2007 se apresentou em Bahia Blanca, Argentina, abrindo o Encontro Internacional de Teatro Comparado, no Uruguai apresentou-se em centros de arte, praças e favelas do entorno da capital, Montevidéu.
Em 2008 viajou à Pernambuco se apresentando em feiras, escolas e no quintal da avó de uma componente do grupo, no sertão de Manari (400 km. De Recife)
Em João Pessoa na Paraíba, a convite da prefeitura o grupo fez a primeira apresentação teatral da história do Cabo Branco Tecnologia, Cultura e Arte, espaço projetado por Niemeyer com publico de 600 pessoas.
Em dezembro último "Relatos de Origem" que fala de racismo nas escolas foi apresentada para os coordenadores do ensino municipal de São Paulo causando grande debate entre os jovens e esses coordenadores, como entre os próprios profissionais de ensino.
Em 2009 pelo terceiro ano consecutivo fará a abertura magna do FREPOP - Encontro Internacional de Educação Popular que este ano acontecerá¡ em Lins, interior de São Paulo.
Para marcar este novo momento de luta, o grupo fará¡ pequena temporada em São Paulo, no Espaço Contraponto 55, cedido gentilmente pelos proprietários. O intuito é arrecadar verba para possíveis apresentações no Seminário de Curingas que vai acontecer no Rio, organizado pelo CTO Rio.
As apresentações se darão entre os dias 4 e 8 de março e o Revolução Teatral vai apresentar quatro peças de seu repertório.


Oficina no II Seminario Teatro e ransformação Social.2008


"Pedras, Sonhos, Nuvens"
A partir das histórias pessoais e familiares o grupo construiu este espetáculo que mostra o conflito gerado entre os sonhos dos jovens e aquilo que os pais querem para seus filhos. A saga desses pais vindos do nordeste, os conflitos familiares, os casamentos precoces, os sonhos dos jovens da periferia são mostrados, sempre com musica e movimento, sem texto.


"Relatos de Origem"
Fala do racismo nas escolas e a grande dificuldade dos professores em lidar com isso, eles mesmos à s vezes carregados de preconceitos. Inicialmente o grupo com imagens corporais mostra a história da população negra que veio da África escravizada, passando pelos navios negreiros,à Palmares, chegando à Candelária e Carandiru (111 presos mortos) até que a cena vai para a sala de aula mostrando as relações entre alunos e professores e alunos.


"Onde foi que eu errei"
O conflito entre jovens e seus pais, quando aqueles assumem sua opção sexual. A violencia, o distanciamento, a pressão das igrejas, familiares e escola. Como em todos os espetáculos, este é baseado na realidade de componentes do grupo.


"Maria da Represa"
A Falta de responsabilidade com o meio-ambiente, problema que é agravado na periferia em que muitos moram em beira de córregos. A peça mostra a luta de uma dona-de-casa que tenta cuidar do meio - ambiente não obtendo resposta de seus vizinhos.
A peça teve mais de 70 apresentações em toda a periferia de Santo André dentro do "Projeto Minha Rua, Meu Teatro".


Em breve daremos detalhes como horários, endereços, mapa, etc. para aqueles que se interessarem em prestigiar o evento tenham as informações necessárias.
No mais deixar os agradecimentos a todos aqueles que de alguma forma colaboraram com o GTO nesses 12 anos e aqueles que se unem a nós neste novo momento de vida com o Teatro do Oprimido.
Quero também convidar a todos que se interessem por trabalhar, ou terem contato com as técnicas do Teatro do Oprimido, para participarem do Centro de Teatro do Oprimido que iniciará suas atividades em março no novo Campus da UNESP, na Barra Funda.

Armindo Rodrigues Pinto

2 comentários:

CESAR

ola meu nome é cesar, sou da cidade de manari-pe, onde vcs estiveram em desembro de 2008 na escola estadual: coronel manoel de souza neto.
eu passei pra desejar um otimo trabalhos que vcs estao fazendo pelo onde passam, e que seja sempre assim capazes de seguir em frente sem ter medo de emfrentar os obstaculos parabens pra todos

sim eu moro na rua são francisco
numero 220, meu nome compreto é josé cesar veríssimo
eu vou esta esperando vcs escrever pra mim ok

graça

Ja presenciei a importancia do trabalho de vocês. Sou aqui de São Paulo e o armindo ja fez umas oficinas na sociedade amigos de americanópolis. queria montar um núcleo de TO aqui na escola do bairro, mas não sei como começar
. Se houver interesse e alguem que puder me orientar meu endereço é: "graca_pereira61@yahoo.com.br". Esta muito dificil tocar o trabalho aqui e penso que através do TO a comunidade pode avançar melhor na direção da resolução de muitos problemas.
De qualquer forma abraços!

 
BLOGÃO da Rede de Teatro do Oprimido ◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates